06 September 2010

Testar o negócio do cool a partir de Lisboa - Jornal Público

Desde que se mudou para Milão, Bruno Brazão dorme menos, observa mais, viaja com frequência e anda sempre com o Blackberry atrás para poder registar tudo o que veja de "diferente e inspirador". Esta é a rotina de um cool hunter: um caçador de tendências, um coleccionador de ideias, um profissional daquilo a que também se pode chamar trend scouting. 
Apesar de ocool hunting se ter estabelecido como negócio nos anos 90, as suas raízes residem, segundo Bruno Brazão, na década de 50, altura em que nasciam os primeiros observadores de tendências. "O objectivo era ajudar a indústria têxtil a ir ao encontro das novas exigências do mercado do pós-guerra", aponta Brazão. Estes profissionais das trends eram "jornalistas de moda, pessoas muito viajadas ou indivíduos influentes na sociedade que procuravam melhorar olook e a qualidade dos produtos estandardizados. Começaram por fazer apenas pequenas sugestões baseadas em quadros de cores e alguns esboços. Com o passar do tempo, as suas recomendações tornaram-se mais elaboradas, surgindo os primeiros gabinetes especializados em tendências", recorda. 

Mariana Duarte, Público.
Entrevista completa em: Portugal Global

THANKS!!!

3 comments:

  1. Dormes menos !!!!!!?????

    ReplyDelete
  2. Tive oportunidade de comprar esta ediçao e adorei...
    Estàs no caminho certo.

    Força!!!

    ReplyDelete
  3. Carolina Espírito SantoMarch 17, 2011 at 1:05 AM

    nice : )

    ReplyDelete